Vaga-lumes da Entrepassos.

Entrepassos. Dois anos em caminho

Em julho, a Entrepassos completa dois anos. Com a pandemia, as comemorações vão atrasar um pouco. Mas este período está sendo fértil em encontros e descobertas, seja para os organizadores, seja para os leitores. Da Passos de junho/2020
Isabella Alberto

Há dois anos foi criada a Entrepassos, iniciativa que nasceu de um grupo de universitários de CL que, por causa da amizade e do gosto comum pelos livros, criaram um clube de leitura para, juntos, experimentar a literatura como companheira de caminho. O nome veio para reforçar a ideia de percorrer juntos os passos desse encontro e oferecer a todos essa mesma possibilidade.

Assim, eles se uniram à Revista Passos, criando uma assinatura especial junto da publicação. A cada bimestre é entregue um kit personalizado contendo a revista Passos do mês, um livro selecionado por uma curadoria especializada, formada por professores e profissionais da área cultural, um guia de leitura com sugestão de orientação para conhecer autor e livro, e um brinde surpresa. O objetivo é estimular uma leitura em companhia, que nos ajude a estarmos mais atentos, alargando nossos horizontes e aprofundando juízos a partir do presente e dentro da realidade de cada um.

Um segundo passo nessa proposta, desejado há muito tempo, acabou se realizando com o início da pandemia do Coronavírus no Brasil. Tendo que adiar o envio do kit que seria para maio por causa das dificuldades de distribuição, e percebendo que as pessoas em isolamento físico demandavam outras formas de ser acompanhadas, a equipe da Entrepassos pensou na possibilidade de oferecer aulas e encontros online, com a periodicidade média de quinze dias.

“Para mim, todo este movimento é a redescoberta do encontro. Antes estávamos na tranquilidade. Com a pandemia, a gente sentiu ainda mais a necessidade de se encontrar, e por isso propomos esses encontros. Porque é isso que faz toda a diferença! Se fosse uma gravação, seria diferente. Por ser um encontro ao vivo, coloca a nossa atenção em outro nível!”, comenta Paula.

E desde a primeira aula, sobre Adélia Prado com a professora Cecília Canalle, as “salas de aula” estão cheias e as mensagens de agradecimento continuam chegando. São sinais evidentes de como está sendo proveitoso para as pessoas. Sobre isso Juliana afirma: “Os livros não me tiram da realidade, sempre despertam algo em mim. Mesmo quando é sobre um assunto muito diferente, tem sempre um ponto de atração. Estamos mostrando e oferecendo um pouco disso para as pessoas”.

Além da iniciativa das aulas, desde o início a busca pela beleza e pela verdade no cotidiano foi um impulso para viver esse tempo de isolamento social com mais atenção, para enxergar as coisas bonitas da nossa casa, do nosso dia a dia e de tudo o que nos rodeia. Como algumas vezes isso é difícil, precisamos de algumas “luzinhas”, “faíscas” como vaga-lumes, para enxergá-las. Por isso, a outra proposta da Entrepassos tem sido o envio diário de um “vaga-lume” para o grupo de assinantes. Um trecho literário, um poema, o verso de uma canção, com uma bela imagem. Ângela, de Brasília, escreveu: “Eu estou adorando receber as mensagens do vaga-lume. Têm me ajudado a viver os meus dias com mais beleza. Por gratidão, e desejando que essa beleza alcance outras pessoas, estou compartilhando as mensagens que recebo todos os dias. De fato, estão sendo faíscas que estão dando um maior colorido à minha vida”.

No Instagram (@_entrepassos), o grupo continua oferecendo novos conteúdos livres a todos que acessam essa rede social. Seguindo a sugestão de um amigo, iniciou-se a publicação de uma série de vídeos legendados do escritor italiano Alessandro D'Avenia sobre o tema da vocação, e também sobre alguns autores clássicos. Segundo D’Avenia, “a palavra ‘clássicos’ vem de veteranos de guerra – o que permanece com o passar do tempo. Revelam alguma coisa de verdadeiro sobre o homem, algo que se encarna no tempo, que cresce com o tempo”. Por isso, são uma ajuda para viver intensamente.